sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Divórcio Bíblico



Imagem relacionada



Crente pode se divorciar? Como a Bíblia trata a questão do casamento, divórcio e novo casamento? Será que um cristão autêntico pode, depois de um divórcio, se casar novamente? A Bíblia permite um novo casamento para quem se separou?
Esse artigo surge da necessidade de explicar minha posição, e responder de modo definitivo o que creio ser a prescrição bíblica sobre o tema. Obviamente não tratarei de todos argumentos e detalhes propostos pelas partes. E nem vou abordar exatamente aquilo que já foi expôs por outros. Apenas esboçarei a minha posição no assunto, i.e. como eu resolvo essa questão, como respondo essas perguntas; apresentarei a ‘minha’ síntese defendida. No fim citarei uma pequena lista de artigos que ao meu ver tratam do assunto de forma certo e útil, corroborando e ampliando o que defenderei aqui.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Nome Sobre Todo Nome

Adão falhou em cumprir a Lei de Deus, e nos legou a morte; Jesus, o novo Adão, cumpriu toda a vontade de Deus, inclusive até a morte, e morte de Cruz, nisso deu vida aos seus.

Abel por oferecer sacrifício mais agradável a Deus que o seu irmão Cain, foi assassinado por ele; Cristo morto foi o melhor e mais agradável sacrifício feito ao morrer pelos seus irmãos.

Noé aparelhando madeiras construiu a Arca que salvou oito pessoas e alguns animais do grande dilúvio, sentença divina contra o mundo infame; Cristo, pregado no madeiro, sofrendo a justa sentença divina contra infames pecadores, salvou uma multidão que ninguém pode contar e resgatou toda a Criação da ignomínia que, pela Queda, foi levada.

Abraão ofereceu seu filho, tão amado, em sacrifício de obediência a Deus, e pela fé lhe foi imputado justiça; Cristo é o Filho Amado que se ofereceu por sacrifício, em obediência ao Pai, e isso NOS foi imputado por justiça.

Moisés, na morte de um cordeiro, como que substituto dos seus primogênitos, pela fé libertou o povo da escravidão do Egito; trouxe a Lei de Deus para o Povo e construiu o Tabernáculo; conduziu essa nação a Terra Prometida; Cristo, o Filho Unigênito, cordeiro de Deus, morreu em nosso lugar, para que fôssemos livres da escravidão do pecado; implanta, por seu Espírito, a Lei divina em nossos corações, é o Tabernáculo de Deus entre os homens, e nos conduz, como bom pastor, para a Nova Jerusalém.
Davi, o grande rei, tem seu trono estabelecido para sempre, mas morreu em ditosa velhice; Cristo, o Descendente de Davi, Reina agora e Eternamente, amem!

Salomão, o mais sábio dos homens construiu o Templo para Deus; Cristo destruiu e em três dias reconstruiu o Templo, seu Corpo, a Igreja, agora verdadeiro e eterno, onde Deus habita perpetuamente com seu povo.

Daniel e seus três amigos, capturados na Babilônia, em firme propósito de não se contaminar com as iguarias do rei, foram melhores conselheiros e abençoaram os exilados no cativeiro babilônico; Cristo assumindo a forma de servo, se humilhando e sofrendo todas as agruras das tentações humanas, é o Maravilhoso Conselheiro que nos abençoa aqui, já, agora nesse cativeiro.

Esdras e Neemias reconstruíram os muros de Jerusalém e reedificaram a cidade Santa; Cristo é nossa segurança, habitação eterna e em bonança.

João Batista, segundo ele mesmo, não era digno de desatar a sandálias de Cristo, no então segundo o próprio Cristo ele foi o maior dos profetas porque viu a Cristo, o objeto de suas previsões.

Ora se Cristo é o cumprimento perfeito de cada promessa feita no passado, de cada alusão e figura, o fio escarlate que une todas as história da Bíblia; a quem Deus-Pai fez convergir todas as coisas, deixe as coisas que para trás ficam e corra a carreira que lhe está proposta.

Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão, abandonemos todas as fábulas e genealogias sem fins, e nos fixemos firmemente no Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

O culto e as festas

Sobre festa junina, de São João, Sem João, do Milho, da Roça ou atividades similares nas igrejas evangélicas:

Não há duvidas, muitas igrejas que nessa época do ano fazem festas, não estão celebrando um dia (ou a memória de algum) santo*; sei que há muitos lugares onde essas festas também estão livres de sincretismo religioso e mundanismo, e que são apenas expressões sócio-culturais. Creio que a manifestação da alegria ou a mera oportunidade de estarmos juntos felizes, de festejar, não só é algo bom, como reflete, de algum modo, as verdades cristãs. Mas nesse assunto, como em todos os outros, ser prudente é mais que necessário, e sem demora devemos buscar subsidiar nossas decisões diretamente na Palavra.

A mera aparência com as celebrações seculares deveriam nos fazer repensar a prática em nossas igrejas. Devemos fugir da aparência do mal. Não é difícil perceber que em tais situações a facilidade para a vazão de nossa carnalidade é maior, o que também deve ser considerado. Ora, se temos servido, como instituição, de pedra de tropeço, já não devemos mais agir assim (Rm 14;21).

Mas em 1Co 11, o apóstolo Paulo reprova a Igreja que se reunia para celebrações. Pode parecer que ele estava apenas rechaçando os maus hábitos dos irmãos quando se juntavam para cultuar, mas quando ele diz "Não tendes, porventura, casas onde comer e beber?”(v.22) ele vai além, desconstrói o direito deles estarem ali, em santo ajuntamento, para comer e beber. Tal coisa fica ainda mais confirmada quando ele passa a normatizar a Ceia do Senhor (v. 23 e diante). Isso claramente indica, a Santa Convocação (a Igreja reunida no nome de Cristo, o culto) é para a proclamação do Evangelho – tão somente pela pregação e administração dos sacramentos – e não para festividades sociais e culturais.

O ponto é: Igreja não é lugar de fazer festa, nenhuma! E não saia pela tangente dizendo 'e se alugar uma chácara' ou 'estaremos na casa de irmãos ou num hotel'. O problema não é com o uso da nave ou sala de cultos, e muito menos com o espaço físico da congregação... o caso é com a ideia de espiritualizar aquilo que é apenas comum, ordinário, fisiológico (humano) e atrelar com o entrar na presença divina, sob a mediação do Cordeiro (o santo culto); ou ainda, por associação, outros erros: como crer que tais eventos sejam formas válidas de evangelismo ou pior, um jeito eficaz de manter as pessoas (porque felizes e animadas) frequentes na igreja.

Festa é festa, culto é culto. Nem faça do culto uma festa, nem da festa um culto! Igreja (culto, celebração, adoração) não é lugar (ou situação) para festa, gracejos, piadas, brincadeira, diversão, barulho, bagunça, e – nem se anime achando que esse post é um salvo-conduto para curtir as baladas do mundão – lembre-se, crente não festeja com o inferno!
---------------
* prática reconhecidamente católica romana.
---------------------
Em passant sobre as festividades comuns nessa e em outras épocas do ano e sua ocorrência no cenário evangélico brasileiro; em trânsito de "O culto segunda a Bíblia".
.